Mulher ModernaRelacionamentos

Relação ioiô: vale a pena?

Pela colunista Regina Racco (www.pompoarte.com.br)

Já ouviu falar da relação ‘ioiô’? Você provavelmente conhece algum casal assim, aqueles que se especializam em terminar para sempre e voltar para ficar eternamente juntos (até a próxima separação). É o chamado casal ioiô, ou boomerang como alguns preferem chamar. O término até engana familiares e amigos e, principalmente, a eles mesmos, mas voltam! Ah, se voltam! Mais apaixonados do que nunca.

LEIA TAMBÉM:  10 sinais de alerta na relação

Mas por que isso acontece? Falta de amor não é! Então, o que será que acontece? Bom, eu arriscaria a dizer, com toda minha experiência na área de relacionamentos, que é o excesso de ego. Sim, um ego gigantesco que grita em alto e bom som que você tem muito a fazer e por isso não dá para ‘se amarrar’, não agora. Um exemplo disso é o famoso casal ‘Brumar’ (Bruna Marquezine e Neymar), não é mesmo?

Relação ioiô: vai ou volta, volta ou vai?

Sim, dá para contornar essa situação. Mas isso passa por um bom aprendizado antes, e esse aprendizado costuma acontecer com o sofrimento que o casal sente entre os intervalos de uma relação e outra. Porque quando estão sozinhos eles vivem a liberdade de continuar criando e trabalhando em seus projetos. Mas no fundo sentem aquela solidão impossível de ser extirpada porque sentem a ausência de quem se encontra distante, possivelmente vivendo o mesmo drama.

Boa vontade de ambas as partes e a visão correta sobre qual caminho seguir tendem a acabar com o vai e volta. Para isso é importante compreender que o amor que os une vale os ajustes para ficarem juntos, que nada é mais importante do que ‘aquele’ abraço carinhoso antes de adormecer ou do que aquele sorriso feliz ao acordar. É preciso ter consciência de que até mesmo os desacordos valem a pena serem vividos juntos.

LEIA TAMBÉM: Não gosto de sexo! E agora?

Até porque ninguém disse que casal perfeito tem que concordar com tudo, não é mesmo? Discordar faz parte, bater o pé até que sua versão seja a vencedora (de vez em quando) acontece… Ir embora é que não faz parte, porque se ambos se amam, sabem bem o quanto é pior quando estão separados.

Se você está passando por uma situação assim, então, anote minhas dicas. Elas podem ajudar quem está  disposto a diminuir um pouco o tamanho do ego e partilhar mais desse amor lindo.

Ah, antes, guarde bem aí uma frase do escritor e poeta Ferreira Gullar: ‘Não quero ter razão. Quero é ser Feliz’. E você, que caminho vai escolher?

CLIQUE NAS IMAGENS ABAIXO PARA CONFERIR AS DICAS!

  • Como medir meu ego? Fácil. É só observar se você se enxerga como uma pessoa poderosa, cheia de planos e todos importantes e imprescindíveis. Você acha ainda que apenas sozinha vai conseguir concretizar tudo isso? Fique alerta se isso não está atrapalhando sua relação.
  • Competição: muitas vezes é a competição boba que te separa do outro. Algo como 'sou melhor, mais influente e mais importante' ou 'meus projetos são muito mais importantes que os seus' faz com que muito casal, mesmo apaixonados, se afastem. E aí não percebem que juntos, pela plenitude do amor, poderiam criar e ter muito mais sucesso.
  • O outro é um obstáculo? 'Se eu estiver com ele, não poderei ir muito longe'. Você pensa assim? Pode estar errada. Aprenda a enxergar o outro da relação como parte de tudo que deseja fazer. Acho que em algum momento da vida você esqueceu que a união faz a força, certo?
  • Centro das atenções: sim, você é... e, não, você não é. A vida é feita de momentos e é por eles que você se expressa. Às vezes pode ser extremamente produtivo e benéfico que você esteja no comando e outras aceite que é uma delícia alternar o comando com seu parceiro. Vale a pena.
  • Ferro e fogo: essa atitude é constante nas pessoas que se cobram demais, sem contar que levar tudo a ferro e fogo é algo severo demais consigo mesmo. Deixar pequenas coisas para lá também é uma escolha que pode render bons momentos de paz e amor. Mudar essa atitude é decisão diária. Dá trabalho, mas é possível conseguir.
  • Abandone o medo: sabe aquele medo de se entregar e acabar perdendo mil oportunidades que, erroneamente, você tem achado que só conseguiria aproveitar se estivesse sozinha? Ao perceber que não é bem assim, você vai relaxar e curtir muito mais a relação. Viva mais leve!
  • Simplesmente ame: tudo tende a ser grande, imensurável e urgente na sua vida? Então, por que não aceitar que o amor que sente também deve fazer parte da sua lista de prioridades do dia? A dica principal, reforço, é entender que juntos são mais fortes que separados.
  • Sentimentos: tenha a humildade de aceitar que o que sente, sim, é grande e importante. E só será possível vivê-lo em sua totalidade abrindo mão de algumas certezas, aprendendo a se jogar no escuro. Sinceramente? Ser surpreendida pode ser bom demais!
  • Ajude o outro: lembre-se de que todas as suas dúvidas e certezas, o seu parceiro talvez tenha também. Então, ajude-o a entender que o amor ioiô - boomerang - não atinge só um de vocês, mas os dois. Senão, não haveria chance de retorno.
  • Nada é certo. Essa é a verdade. A relação de ninguém começa com prazo determinado para acabar. Muitos casamentos eternos não resistem a seis meses, enquanto outros atravessam os anos ajustando-se aos contratempos. Aprenda a viver o dia a dia, aproveitem todo o prazer que podem receber um do outro, armazene boas lembranças para a bagagem da relação. Além disso, aceite aprender com os erros e rir de algumas situações que não merecem desentendimentos. Privilegie os pedidos de perdão e o esquecimento para pequenas faltas. Assim se vive o amor, aquele leve e gostoso, sem pesos e cobranças.
Regina Racco